Arquivo da categoria: Treino

Você sabe o que é a Liofilização

Você já ouviu falar em liofilização de alimentos? Não!!!

A liofilização de alimentos é um processo de conservação, ou seja, é um processo de desidratação que é utilizado nas comidas dos astronautas, isso mesmo aquela comidinha que vai lá para o espaço.

Vamos entenda melhor este processo, o alimento é congelado a uma temperatura de -30°C e depois é submetido a uma pressão negativa que retira toda a água das células congeladas diretamente do estado sólido para o gasoso, preservando assim todos os nutrientes, sabor, cor e aroma.

Com a retirada total da água este alimento tem uma durabilidade muito maior mesmo quando conservado em temperatura ambiente, pois os microrganismos e as bactérias necessitam de água para sobreviver e se multiplicar.

O resultado é um produto leve e crocante, livre de umidade que pode ser facilmente reconstituído adicionando água. Produtos liofilizados têm baixo peso, pois a maioria dos alimentos possui mais de 80% de água, mas contém os mesmos nutrientes do alimento in natura.

Agora não tem mais desculpa para não se alimentar corretamente pois encontramos diversos produtos que são liofilizados e em embalagens praticas para consumir a qualquer hora e qualquer lugar.

Corra e experimente essas delicias tenho certeza que você se sentira no espaço.

 

Mariana Buriolla – CRN 5220

Nutricionista

A ação do Cromo e seus benefícios!

Se você procura acelerar o metabolismo de maneira prática e totalmente segura, o cromo é um mineral essencial que pode auxiliar neste processo. Conheça um pouco mais sobre a ação do cromo e seus benefícios.

O Cromo participa ativamente do metabolismo de carboidratos, atuando simultaneamente com a insulina, melhorando a tolerância à glicose por sensibilizar a liberação do respectivo hormônio (MERTZ W. 1969).

Por sensibilizar à insulina, o cromo pode influenciar também no metabolismo proteico, promovendo maior estímulo da captação de aminoácidos e, consequentemente, aumentando a síntese proteica (CLARKSON PM, 1997). Existem, ainda, algumas evidências sobre a função do cromo no metabolismo dos lipídios (gorduras), auxiliando no controle dos colesteróis resultando em consequente equilíbrio plasmático dos mesmos (GRANT K.E ET Al; 1997).

A capacidade do cromo de sensibilizar a liberação de insulina pode auxiliar na reversibilidade ou na minimização da colateralidade de doenças crônico-degenerativas, tais como diabetes (I e II) e síndromes metabólicas. Pode auxiliar também no processo de emagrecimento, pois, sua capacidade em auxiliar o controle glicêmico estimulando a liberação de insulina faz com que a sensação de saciedade seja mais prolongada, principalmente pela liberação de leptina, hormônio que inibe o apetite (NEGRÃO AB,2000). O cromo pode influenciar também na diminuição da compulsividade por doces, ou seja, pra quem sofre com ansiedade e vê no consumo de açúcar a rota de fuga para diminuir o processo, pode utiliza-lo como um importante aliado.  A publicação recente das novas ingestões dietéticas de referência (DRI) trouxe um valor de ingestão adequada para este mineral correspondente a 25 e 35µg/ dia para mulheres e homens adultos, respectivamente.

É importante lembrar que por menor que sejam os riscos, o consumo deve ser sempre produto da orientação e prescrição de profissionais capacitados, até mesmo para garantir a integridade da suplementação, seja nos aspectos clínicos ou voltados ao rendimento atlético.

As Cápsulas do Picolinato de Cromo de diversas marcas e dosagens, você encontra aqui!

Tudo sobre a Cafeína e seus benefícios!

Em 1991, a cafeína já era considerada a substância psicoativa mais consumida em todo o mundo, por pessoas de todas as idades, independente do sexo e da localização geográfica. Através de suas fontes comuns na dieta, que são chá, café, produtos de chocolate e refrigerantes, o consumo mundial de cafeína foi estimado em mais de 120.000 toneladas por ano (JAMES, J. E; 1991). Com o avanço da produção científica, dos recursos tecnológicos e da necessidade humana em produzir, processar e se reinventar mais em menos tempo, o consumo de cafeína, seja na sua forma anidra ou em bebidas energéticas, deve ter provavelmente crescido ao ponto de não ser quantificável.

A cafeína é uma substância pertencente ao grupo das metilxantinas (1,3,7 trimetilxantina) que ganhou globalmente o coração das pessoas (literalmente), sendo utilizada para múltiplas finalidades.  Nas últimas décadas, com a elucidação de sua multifuncionalidade, tem sido utilizada em maior escala por esportistas com a finalidade de melhorar o desempenho físico, os fatores estéticos e a disposição para iniciar a prática (APPLEGATE, E; 1999). Segundo resultados de pesquisas, os efeitos da cafeína estão relacionados majoritariamente com a liberação de catecolaminas (adrenalina, noradrenalina e dopamina) e ativação do sistema nervoso central (melhora cognitiva, processamento de informação), como sugerido por SPRIET, em 1995. O aumento da lipólise (mobilização e quebra da gordura) e a consequente economia do glicogênio muscular, garantindo também maior excitabilidade musculoesquelética, processo que culmina em melhor recrutamento muscular e de unidades contráteis (SINCLAIR, C.J.D. E GEIGER, J.D; 2000) também é uma importante função atribuída ao uso da cafeína como recurso.

Podemos concluir que a cafeína é uma substância excepcional e acessível tanto da perspectiva financeira quanto da geográfica. Suas contraindicações se restringem a cardiopatas. Em contrapartida, é um ótimo recurso ergogênico para quem quer queimar gordura, ter maior disposição para a prática esportiva, melhorar o rendimento em modalidades coletivas e individuais que envolvem elaboração estratégica e/ou são prolongadas, garantindo também melhor contração muscular, preservação de glicogênico (efeito anti-catabólico) e retardamento de fadiga.

Alimentos Termogênicos

Os alimentos termogênicos são aqueles que apresentam maior grau de dificuldade ao serem digeridos pelo organismo, fazendo com que o consumo de energia e caloria para realizar a digestão sejam mais expressivos. Gasta-se energia para digerir todos alimentos, ou seja, qualquer macro (carboidrato, proteína e lipídio) tem a capacidade de aumentar a temperatura corporal e acelerar o metabolismo, podendo desta forma aumentar concomitantemente a queima de gordura. Existem alguns que se destacam mais que outros, pois, induzem o metabolismo a trabalhar em um ritmo mais acelerado ou de maneira mais intensa, seja pela dimensão da estrutura molecular ou pela propriedade nutricional intrínseca. Alguns nutrientes não possuem valor energético tão elevado, mas corroboram catalisando o processo termogênico. Dentre os mais populares temos:

Taurina: A taurina é um aminoácido cuja função é aumentar a excreção celular de sódio e de água (efeito diurético), regular a entrada de cálcio nas células cardíacas, garantindo melhor contratilidade e protege o coração contra a ação deletéria dos radicais livres (efeito antioxidante).

 

Pimenta vermelha doce: A capsaicina é o componente ativo das pimentas. O consumo desse aditivo aumenta a salivação, estimula a secreção gástrica e a motilidade gastrointestinal, proporcionando uma sensação de bem-estar (CRISÓSTOMO ET AL, 2006). Em estudos com seres humanos, a pimenta vermelha induziu redução na repetição da ingestão alimentar, elevado gasto energético pós-refeição e oxidação lipídica, ou seja, maior queima e utilização de gordura (WESTERTEP ET AL, 2005).

 

Laranja Amarga: Tradicionalmente, a laranja amarga é usada como medicamento alternativo em alguns países para tratar ansiedade, insônia e como anticonvulsiva. Estudos sugerem que a laranja amarga (citrus aurantium) pode melhorar o tempo de sono induzido por barbitúricos e diminuir a compulsividade alimentar (MAHMOOD AKHLAGHI, 2011).

 

Cafeína: A cafeína é adicionada à maioria dos suplementos termogênicos devido à sua capacidade em aumentar o metabolismo, promover a lipólise, a oxidação de gordura e colaborar, indiretamente, com o aumento da força muscular. Quando consumida em doses moderadas tem mostrado aumentar o desempenho físico e mental, tornando-a assim o composto ideal para combater a fadiga (WELLS A. J; 2014).

 

L-Carnitina: Como suplemento, a L-carnitina vem sendo utilizada com efeitos comprovadamente positivos, com o intuito de realçar a performance aeróbia (BRASS E.P; 2000), provavelmente devido à facilitação da entrada de gordura para o interior da mitocôndria, organela que ‘’queima’’ os nutrientes e produz energia, sendo assim, umas das responsáveis diretas pela termogênese. Alguns estudos demonstraram que a L-carnitina poderia retardar a fadiga muscular e as dores causadas pelo esforço físico excessivo, atuando também, quando suplementada, como um antioxidante intracelular, ou seja, prevenindo a célula das agressões dos radicais livres.

Alimentos e nutrientes termogênicos

Como já foi esclarecido no texto anterior, termogênese refere-se à produção de calor e controle deste processo. Quando produzimos mais energia/calor, nós queimamos calorias adicionais. Partindo deste princípio, a termogênese é subdividida em termogênese induzida pela dieta e termogênese facultativa. O efeito térmico dos alimentos, também conhecido como termogênese induzida pela dieta, é a energia gasta para que alimentos ou bebidas consumidas possam ser processados e digeridos pelo organismo.

 

A termogênese induzida pela dieta representa cerca de 10% do gasto energético diário total (RUDDICK-COLLINS et al., 2013). Já a termogênese facultativa possui relação com a prática de atividades físicas e mudanças de temperatura externa que culminam em maior produção ou perda de calor, por exemplo, ‘’ o friozinho ao sair de uma piscina’’. Considerando esses aspectos, esse texto buscou apresentar e esclarecer quais alimentos e nutrientes possuem propriedades termogênicas, além de apresentar alguns elementos que podem influenciar o respectivo processo, como diferentes composições e combinações nutricionais, tendo como objetivo primário fundamentar o leitor sobre o que pode lhe auxiliar na queima de gordura.

Existem vários alimentos com efeitos termogênicos. Dentre os mais populares e de maior acessibilidade, levando em consideração nossa cultura e a disponibilidade dos mesmos no país, temos a pimenta doce, gengibre, vegetais fibrosos (brócolis, acelga, couve), café, guaraná, chá verde, gorduras vegetais (em especial a de coco), cacau, canela, clanberry e café verde.  Todos possuem propriedades termogênicas, anti-oxidativas, anti-inflamatórias e podem ter estas ações intensificadas através da combinação nutricional, como por exemplo a canela com o café, café com óleo de coco ou um mix de vegetais, tais como brócolis, pimenta e gengibre temperados com óleo de linhaça. O fato é que cada nutriente possui sua especificidade em relação a sua composição e, consequentemente, seu efeito. É importante ressaltar que a composição e a ação podem ser alteradas de acordo com a forma de preparo, sendo recomendado o consumo cru ou o cozimento vaporizado. Também existem recursos como os suplementos termogênicos, que contém em suas fórmulas uma ou mais substâncias que auxiliam neste processo. No próximo post, discutiremos sobre uma sub-categoria de nutrientes que auxiliam de forma significante na eliminação da gordura corporal.

O verão vem chegando e você: Tem gostado do que vê no espelho?

Que tal já começar a se preparar, reorganizar sua rotina de treinos e, principalmente, de dieta? Com foco em te informar e, quem sabe, de ajudar você na busca dos seus objetivos, nas próximas postagens vamos abordar as características de importantes nutrientes com propriedades termogênicas e que ajudam na queima de gordura corporal.

 

TERMOGÊNICOS:

Termogênese literalmente refere-se à produção de calor e controle deste processo. Quando produzimos mais energia / calor, nós queimamos calorias adicionais. Qualquer substância que estimule a taxa metabólica de repouso, aumente indiretamente a perda de calor para o ambiente externo e, tem como produto final um maior consumo calórico é chamada de agente termogênico.

“O balanço energético, caracterizado pelo equilíbrio entre o gasto energético e a ingestão calórica, tem um importante papel no controle do peso e da reserva de gordura corporal (HERMANA, H; 2007)”. Para entender como este balanço é perdido, é necessário investigar a ingestão, oxidação, termogênese e estocagem dos macronutrientes, com ênfase na gordura, armazenada principalmente após as refeições.

Partindo deste princípio, aumentar a capacidade termogênica logo após a refeição, de forma segura e controlada, tem sido um mecanismo muito efetivo para a perda de peso e melhora do perfil lipídico.

Da mesma forma, o uso de substâncias ou nutrientes termogênicos, antes e/ou durante o treino, principalmente os de intensidade moderada, no qual o consumo lipídico é proporcionalmente maior depois de determinado tempo, tem desencadeado maior ‘’queima’’ de gordura, garantindo simultaneamente melhoras fisiológicas e estéticas.

É fundamental considerar que embora alguns alimentos contenham substâncias com propriedades termogênicas, as concentrações destes nutrientes acabam não sendo tão significantes ao ponto de desencadearem a queima de gordura. Entram então, em cena, os suplementos termogênicos. Produzidos a partir de alimentos e tendo seu consumo considerado seguro pelo Ministério da Saúde, estes Suplementos propiciam maior energia e desempenho garantindo assim maior queima de gorduras sem oferecer riscos a sua saúde.

Acompanhe as próximas postagens. Vamos nos aprofundar neste tema que interessa a todos que buscam melhor forma física e qualidade de vida.

Os melhores suplementos para auxiliarem seu desempenho, você encontra aqui!

Tudo que você precisa saber sobre: Glutamina

A glutamina é um dos 20 aminoácidos presentes naturalmente nos alimentos e no nosso corpo, e também é o mais abundante no plasma e tecido muscular. Ela é da família dos aminoácidos condicionalmente essenciais, ou seja: em situações de estresse, como cirurgias, queimaduras ou exercícios físicos intensos, a necessidade dessa substância é aumentada. Para o esportista que treina regularmente, deve-se considerar a glutamina como um aminoácido essencial, pois ela desempenha um papel fundamental no metabolismo proteico e no anti-catabolismo, e tem função importantíssima para o sistema imune, pois é o alimento preferido das células de defesa. Neste artigo ensinaremos Tudo que você precisa saber sobre: Glutamina.

Existe uma relação direta entre os níveis de glutamina livre nos músculos e a capacidade de síntese muscular. Dessa forma, para os atletas e praticantes de exercício de resistência e força, a glutamina pode reduzir o catabolismo muscular, fadiga, preserva o tecido muscular e melhorar a recuperação após um treino intenso, promovendo reposição de energia e mantendo o sistema imunológico saudável.

Esse aminoácido pode ser encontrado em alimentos proteicos ou em suplementos alimentares. A dose diária pode variar de pessoa para pessoa, mas poucas gramas desse aminoácido já trazem ótimos efeitos para sua saúde.

Nutricionista: Denise Fedato Rezende
CRN: 8- 9787

Quer saber mais sobre a Glutamina? Acesse nosso site e confira valores, promoções e descrições técnicas. Clique aqui!

 

Como Combater o Colesterol

Ômega-3 no Combate ao Colesterol

No mês de agosto comemoramos o Dia Nacional de Combate ao Colesterol. Níveis de colesterol elevados podem ser os primeiros indícios de que a sua saúde não está bem, e podem provocar doenças cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral. Por isso, mostraremos como atua o Ômega-3 no combate ao colesterol.

 

Como sabemos, colesterol é uma substância gordurosa, consumida através da alimentação e também produzida pelo corpo humano. Quando consumido em baixo nível, representa um resultado positivo e até essencial para o funcionamento do nosso corpo: é um componente de membranas; precursor de vitamina D e de hormônios e faz parte do funcionamento cerebral.

Uma alimentação saudável é capaz de reduzir os níveis de colesterol e manter longe os problemas cardiovasculares. Alguns alimentos são peças chave para o controle dessa substância essencial ao nosso corpo, como peixes, farinha de linhaça e azeite extra virgem. Esses alimentos tem boas concentrações de ômega-3, um ácido graxo (gordura) que previne doenças cardiovasculares. Na dose certa, esse ácido graxo diminui a fração LDL (colesterol ruim) e aumenta a fração HDL (colesterol bom).

O ômega-3 está presente principalmente em peixes, como sardinha, salmão, atum, truta, cavala e arenque, e também em algumas sementes, como a linhaça. Seu consumo diário deve ser em torno de 1,8g e por isso a suplementação desse óleo em capsulas pode facilitar – e muito – seu dia a dia.

Converse com seu nutricionista, saiba como cuidar da sua saúde e a recomendação ideal de ômega-3 para você.

Nutricionista: Denise Fedato Rezende
CRN: 8- 9787

O que faz a Creatina?

A suplementação de creatina é largamente estudada, principalmente por seu efeito de melhora na performance de atletas e praticantes de atividade física em exercícios de alta intensidade e curta duração, que usam a fosfocreatina para produção de energia. Ela também melhora a performance e rendimento físico, auxiliando assim no aumento de massa muscular.

Sua suplementação aumenta também os estoques de fosfocreatina, potencializa a ressintese de energia e melhora a performance anaeróbia, sendo assim muito utilizada por adeptos da musculação.

É importante lembrar que a captação de água das células é aumentada com o uso desse suplemento, provocando aumento do volume muscular. A alta ingestão de líquidos é indispensável para preservar o organismo. Além disso, para bons resultados com a suplementação de creatina, é necessário consultar um nutricionista e respeitar a estratégia nutricional especifica para você.

Conheça a Creafit da Extreme Fit.

Nutricionista: Denise Fedato Rezende
CRN: 8- 9787

Fonte:
CREATINE. 2017. Disponível em: <https://examine.com/supplements/creatine/>. Acesso em: 07 jun. 2017
Simone Biesek;, Letícia Azen Alves e Isabela Guerra. Estratégias de Nutrição e Suplementação no Esporte. Barueri, SP: Editora Manole, 2005.

O uso de termogênicos no exercício físico

A procura por termogênicos cresceu; qual a vantagem em utilizá-los?

O inverno, como dito no post anterior, ajuda nosso corpo a gastar mais energia. Além da continuidade dos bons hábitos alimentares também nesse período, o exercício físico é outra importante estratégia para aumento da taxa metabólica e gasto energético em dias frios.

A prática regular de exercício físico promove aumento de massa muscular esquelética, diminuição dos estoques de gordura e, consequentemente, aumento do gasto calórico, além de promover melhor sensibilidade à insulina e aumento da tolerância ao uso da glicose. O gasto energético acontece, ainda, pelo estímulo de reações metabólicas e aumento do uso de substratos pelos músculos ativos. O exercício também participa da termogênese mediada pelo tecido marrom, este bem conhecido pelo seu papel no controle do gasto energético corporal (Kirsi, 2014).

Os termogênicos, associados ao exercício físico e a uma alimentação adequada, têm sido alvo de muitos estudos na comunidade científica. O estudo realizado por Bergstrom et al. (2014) comparou o uso de um mix de termogênicos antes, durante e após a prática de exercício físico, em homens. Os resultados demonstraram que durante a prática do exercício, houve maior gasto de energia e consumo de oxigênio por aqueles que foram suplementados com termogênicos.

Atualmente, são muitos alimentos e substâncias conhecidas como termogênicos: pimenta, gengibre, canela, chás, guaraná, cafeína, dentre muitos outros. A cafeína (isolada e naturalmente presente no café e chás) é um dos mais estudados. Em 2005, o estudo conduzido por Andrews et al. objetivou testar um suplemento composto por Camellia sinensis (mesma planta utilizada para preparo do chá verde, porém com a folha oxidada) e cafeína. Os resultados sugeriram que esse composto foi capaz de aumentar a taxa metabólica após uma hora e mais 2 horas após a ingestão. Uma metanálise realizada com outros 6 estudos também avaliou a ingestão de cafeína pura e mix de catequinas e cafeína sobre a termogênese. A conclusão foi de que a ingestão do mix de catequinas e cafeína aumentou de forma estatisticamente significativa a oxidação de gorduras quando comparado ao placebo (substância sem efeito) (Hursel et al., 2011).

Outro produto com potencial efeito termogênico é o extrato de Citrus aurantium. Essa planta, também conhecida por “laranja amarga”, possui uma substância chamada Sinefrina, a responsável pela termogênese. Muitos produtos já colocam tal substância em suas fórmulas. O que a ciência no diz? Um estudo de revisão discorre sobre esses efeitos e chegaram à conclusão que o consumo de Citrus aurantium promoveu maior perda de peso quando comparado a um período sem essa ingestão (Preuss et al., 2002). Já em 2011, outro estudo foi realizado com a mesma substância isolada ou combinada. Resultado: em ambas as formas, houve um maior gasto energético (Stohs et al., 2011).

Dessa forma, o uso de termogênicos, concomitante ao estilo de vida saudável, pode ser um grande aliado para aumentar ainda mais o gasto energético e potencializar a perda de peso.