Arquivo da tag: saudavel

ALFARROBA E SUAS IMPLICAÇÕES

Com a evolução tecnológica e a quantidade de estudos realizados com foco na alfarroba, o conhecimento das suas características e propriedades tem aumentado consideravelmente e, consequentemente, as suas utilizações são cada vez mais diversificadas e sofisticadas. O conteúdo da alfarroba (aminograma em anexo) e dos polifenóis presentes faz com que ela desempenhe um papel cada vez mais importante na indústria biofarmacêutica, uma vez que estes componentes lhe conferem capacidades que permitem a sua utilização na formulação de fármacos, no controle do colesterol ou em produtos alimentares para crianças, em particular na formulação de alimentos lácteos espessados para crianças com problemas de refluxo gastresofágico. Se antes existiam empecilhos para o consumo da Alfarroba, hoje, comprovadamente, não existem mais. Na contramão do que acreditava-se, a alfarroba e seus produtos são excelentes alternativas pra quem quer desvincular-se dos alimentos hipercalóricos e altamente processados disponíveis no mercado, inclusive, os chocolates.

Incluir produtos à base de alfarroba em sua dieta pode ser uma excelente alternativa para reeducação do paladar ou melhora na sensibilização do mesmo, fazendo com que produtos menos processados lhe proporcionem prazer equiparável ou maior do que os alimentos industrializados tem lhe proporcionado nestes anos. Este processo de reeducação é importante, pois um alimento palatável, nos dias de hoje, diante da forma no qual fomos moldados, é um alimento riquíssimo em gorduras saturadas e hidrogenadas, em açúcares processados e o produto final de tudo isso é não sentirmos mais prazer em produtos naturais, nos tornando reféns do ultraprocessado e ultraconcentrado, aumentando desta forma a pré-disposição para doenças crônico degenerativas e criando um ambiente fisiológico propício para o surgimento das mesmas. Tendo em vista que a alfarroba possui propriedades que combatem diretamente as patologias e disfunções supracitadas, experimenta-la partindo deste pressuposto é a forma mais racional de encontrar o meio termo diante do extremo, da dicotomia que nos assola: Saúde x Prazer em comer. Nesta páscoa coma bem, tenha prazer e sem peso na consciência. Mantenha o equilíbrio nutricional e principalmente, experimente o novo.

Renan Vinícius Nogueira

ALFARROBA

Procura uma alternativa nutricionalmente melhor do que os chocolates tradicionais nesta páscoa? Algo que não influencie negativamente na sua dieta, no seu peso e na sua saúde, mas que lhe proporcione o mesmo prazer na ingestão? Experimente os produtos à base de alfarroba, você vai se surpreender!

 

A alfarroba é proveniente da Alfarrobeira, uma árvore rústica, resistente à seca e que consegue sobreviver e crescer em regiões de solos muito pobres. Considerada uma leguminosa arbórea, sua vagens podem ser utilizadas na produção de uma farinha, propícia para o consumo humano e que se assemelha ao cacau, tanto no sabor como no aroma.

A alfarroba em pó é rica em carboidratos, proteínas, pobre em gorduras e apresenta alto teor de fibras. O consumo adequado de fibras na dieta usual parece reduzir o risco de desenvolvimento de algumas doenças crônicas como: doença arterial coronariana, derrames, hipertensão, diabetes melito e algumas desordens gastrointestinais. Além disso, o aumento na ingestão de fibras melhora os níveis de colesterol e triglicérides circulantes. Em 100g de alfarroba contém 90 g de carboidrato,  4,5   proteína,   40g   de   fibra alimentar e 0 mg de sódio; 350 mg de cálcio, 0,45g  de  vitamina  B2,  0,035g  de  vitamina B6  além  de  não  possuir  lipídeos,  glúten  e lactose   em   sua   composição.

Com relação a outros minerais, o conteúdo de K, Cobre, Ferro e Manganê scorrespondem a mais de 20% dos índices de recomendação diária para um adulto. A literatura já destaca a alfarroba como um substituto do cacau na formulação de biscoitos, massas, sobremesas, bebidas lácteas e achocolatados, sendo uma opção mais barata e com grande potencial nutritivo, isenta de cafeína e outros estimulantes.

Renan Vinícius Nogueira

Levedo de cerveja: o que é e quais os benefícios para a saúde?

As leveduras são fungos que se desenvolvem na fermentação alcoólica. Elas são utilizadas há muitos anos em vários processos industriais alimentícios como fermento biológico, um deles é no processo da fermentação da cerveja. A palavra levedura tem origem no termo latim levare que significa “crescer” ou “fazer crescer”.

A levedura apresenta alto teor proteico, o que a torna uma boa opção de fonte de proteína para vegetarianos.  Ela é rico em vitaminas B1, B2, B6, ácido pantotênico, niacina, ácido fólico e biotina, também é rico em fibras, em minerais como selênio, cromo, fósforo, ferro, cálcio, potássio, magnésio e zinco. Por possuir essa gama de nutrientes, traz muitos benefícios a saúde e pode ser considerada um alimento funcional.

Este fungo pode auxiliar na redução do LDL (colesterol ruim) e, se associado a exercícios físicos também pode aumentar os níveis do colesterol bom (HDL). Por ser rico em cromo, nutriente que tem ação sobre a insulina no organismo, a levedura também ajuda no controle da diabetes ou até mesmo na prevenção desta doença crônica. Por conter antioxidantes, como o selênio, também ajuda no combate aos danos causados pelos radicais livres, além de fortalecer o sistema imunológico.

Rico em fibras, a levedura também promove um efeito laxativo, aumentando o volume e a viscosidade do bolo fecal. Por ter em maior quantidade fibras solúveis, ou seja, fibras que são solúveis em água, também há influência na atividade de enzimas digestivas, o que melhora a taxa de digestão e absorção dos nutrientes. Essas fibras também proporcionam um atraso no esvaziamento gástrico, promovendo o aumento da saciedade.

Além de todos estes benefícios a saúde que foram citados, o levedo também mantém os cabelos saudáveis, as unhas fortes e a pele limpa, ajudando a evitar acnes. Os sintomas da TPM também são aliviados, graças ao zinco e às vitaminas do complexo B. Enfim, o levedo também ajuda a converter o carboidrato em glicose para ser utilizado como fonte de energia pelo organismo.

Com tantos benefícios assim torna-se indiscutível o consumo do levedo de cerveja. Ele pode ser encontrado em flocos, pó ou em cápsulas, opção mais prática para quem tem um dia a dia mais corrido.

 

Laís S. Baduy

Tudo que você precisa saber sobre: Glutamina

A glutamina é um dos 20 aminoácidos presentes naturalmente nos alimentos e no nosso corpo, e também é o mais abundante no plasma e tecido muscular. Ela é da família dos aminoácidos condicionalmente essenciais, ou seja: em situações de estresse, como cirurgias, queimaduras ou exercícios físicos intensos, a necessidade dessa substância é aumentada. Para o esportista que treina regularmente, deve-se considerar a glutamina como um aminoácido essencial, pois ela desempenha um papel fundamental no metabolismo proteico e no anti-catabolismo, e tem função importantíssima para o sistema imune, pois é o alimento preferido das células de defesa. Neste artigo ensinaremos Tudo que você precisa saber sobre: Glutamina.

Existe uma relação direta entre os níveis de glutamina livre nos músculos e a capacidade de síntese muscular. Dessa forma, para os atletas e praticantes de exercício de resistência e força, a glutamina pode reduzir o catabolismo muscular, fadiga, preserva o tecido muscular e melhorar a recuperação após um treino intenso, promovendo reposição de energia e mantendo o sistema imunológico saudável.

Esse aminoácido pode ser encontrado em alimentos proteicos ou em suplementos alimentares. A dose diária pode variar de pessoa para pessoa, mas poucas gramas desse aminoácido já trazem ótimos efeitos para sua saúde.

Nutricionista: Denise Fedato Rezende
CRN: 8- 9787

Quer saber mais sobre a Glutamina? Acesse nosso site e confira valores, promoções e descrições técnicas. Clique aqui!

 

Hidratação nos dias frios

hidratacao-nos-dias-frios

O principal hábito de vida saudável que a maioria das pessoas costumam esquecer, especialmente durante o inverno, é a hidratação. A principal justificativa é a de que no inverno a transpiração é quase inexistente e, por isso, perdemos pouca água.

A hidratação mantém o controle de todo o funcionamento do organismo, desde transporte de nutrientes, eliminação de toxinas até a composição de órgãos e tecidos.

Embora realmente a transpiração seja diminuída, a diurese nesse período é aumentada. Ou seja: ocorre maior perda de água pela urina.

O inverno no Brasil é um período seco, com baixa umidade no ar. Esse fato causa maior ressecamento de pele e mucosas, nos deixando suscetíveis e agravando doenças. O praticante de exercício, especificamente, está mais exposto ao clima seco e, juntamente com os efeitos do exercício, em risco de desidratar-se.

Com isso, a hidratação é fator determinante no desempenho do exercício durante o inverno, além da manutenção do bom funcionamento do organismo.

A recomendação diária de líquidos varia de acordo com sexo, idade e exercício físico. Porém, a recomendação de 35ml de água por quilo de peso para adultos é aconselhada. Assim, um indivíduo de 75 kg deve consumir aproximadamente 2,6 litros de água.

Embora nada substitua a água, o consumo de sopas e caldos podem contribuir para ingestão hídrica, especialmente aquelas preparadas com verduras, legumes e cereais, que também aumentam o aporte de fibras, vitaminas e minerais. Os chás, comentados no post anterior, e os sucos naturais também podem contribuir para o aumento do aporte de líquidos. O cuidado fica com a quantidade de açúcar que essas bebidas podem agregar; dessa forma, o ideal é não adoçar.

Para estimular a ingestão ideal de água, a principal dica é sempre ter à mão uma garrafinha de água. Há ainda quem “não goste” de água. Essas pessoas devem apostar em água aromatizada (com gengibre, hortelã, abacaxi, dentre outros) para melhorar o aporte. Assim é fácil (e gostoso!) manter o corpo hidratado nessas dias frios.

Festas Juninas e alimentação saudável

 

festas-juninas-alimentacao
As festas juninas trazem boas opções de alimentos para quem deseja manter o estilo de vida saudável

 

Junho, além de trazer o frio, traz as amadas e gordurosas festas juninas. É possível curtir as festas juninas sem exagerar e sem sair da dieta?

A boa notícia é que sim! Embora os alimentos presentes nessas festas sejam carregados de açúcares e gorduras, algumas opções são saudáveis e podem trazer benefícios nesse período do ano.

A dica principal é evitar aqueles alimentos que sabidamente são carregados de calorias, açúcares e gorduras como doces (de abóbora, de amendoim), churrasquinho com carne gordurosa, caldos, dentre outros.

A batata doce é um dos alimentos que são comuns em festas juninas. Esse alimento se tornou queridinho dos atletas e praticantes de exercício pois tem baixo índice glicêmico. Isso significa que ela não produz picos de glicemia no organismo e, consequentemente, picos insulinêmicos, o que a torna um bom alimento para exercícios e também para controle de peso e de doenças como o diabetes. O melhor de tudo: ela geralmente é servida assada e tem um sabor incrível.

As especiarias marcantes das festas juninas como canela, gengibre e cravo também são um ponto forte e benéfico. Além de trazer um sabor único e marcante, essas especiarias são ricas em antioxidantes. As substâncias antioxidantes previnem o envelhecimento do organismo além de evitar oxidação de gorduras e eventos cardiovasculares.

O queridinho e delicioso amendoim é uma das marcas registradas em festas juninas. Além de ser um alimento rico em proteínas, também fornece ácidos graxos essenciais, que facilitam a queima de gordura e controle dos lipídeos sanguíneos. Mas cuidado com as versões cheias de sal ou açúcar!

Outro alimento que não pode faltar é o milho, cereal que é consumido assado direto na espiga ou como ingrediente em outras preparações. O milho é fonte importante de energia e fibras, além das vitaminas A, C e B9. A melhor forma de consumir o milho é assado ou cozido, com pouco sal e manteiga, já que se trata de um alimento energético.

Como visto, é possível aproveitar todas as delícias das festas juninas sem sair da dieta ou comprometer os resultados. Boas festas!

O uso de termogênicos no exercício físico

A procura por termogênicos cresceu; qual a vantagem em utilizá-los?

O inverno, como dito no post anterior, ajuda nosso corpo a gastar mais energia. Além da continuidade dos bons hábitos alimentares também nesse período, o exercício físico é outra importante estratégia para aumento da taxa metabólica e gasto energético em dias frios.

A prática regular de exercício físico promove aumento de massa muscular esquelética, diminuição dos estoques de gordura e, consequentemente, aumento do gasto calórico, além de promover melhor sensibilidade à insulina e aumento da tolerância ao uso da glicose. O gasto energético acontece, ainda, pelo estímulo de reações metabólicas e aumento do uso de substratos pelos músculos ativos. O exercício também participa da termogênese mediada pelo tecido marrom, este bem conhecido pelo seu papel no controle do gasto energético corporal (Kirsi, 2014).

Os termogênicos, associados ao exercício físico e a uma alimentação adequada, têm sido alvo de muitos estudos na comunidade científica. O estudo realizado por Bergstrom et al. (2014) comparou o uso de um mix de termogênicos antes, durante e após a prática de exercício físico, em homens. Os resultados demonstraram que durante a prática do exercício, houve maior gasto de energia e consumo de oxigênio por aqueles que foram suplementados com termogênicos.

Atualmente, são muitos alimentos e substâncias conhecidas como termogênicos: pimenta, gengibre, canela, chás, guaraná, cafeína, dentre muitos outros. A cafeína (isolada e naturalmente presente no café e chás) é um dos mais estudados. Em 2005, o estudo conduzido por Andrews et al. objetivou testar um suplemento composto por Camellia sinensis (mesma planta utilizada para preparo do chá verde, porém com a folha oxidada) e cafeína. Os resultados sugeriram que esse composto foi capaz de aumentar a taxa metabólica após uma hora e mais 2 horas após a ingestão. Uma metanálise realizada com outros 6 estudos também avaliou a ingestão de cafeína pura e mix de catequinas e cafeína sobre a termogênese. A conclusão foi de que a ingestão do mix de catequinas e cafeína aumentou de forma estatisticamente significativa a oxidação de gorduras quando comparado ao placebo (substância sem efeito) (Hursel et al., 2011).

Outro produto com potencial efeito termogênico é o extrato de Citrus aurantium. Essa planta, também conhecida por “laranja amarga”, possui uma substância chamada Sinefrina, a responsável pela termogênese. Muitos produtos já colocam tal substância em suas fórmulas. O que a ciência no diz? Um estudo de revisão discorre sobre esses efeitos e chegaram à conclusão que o consumo de Citrus aurantium promoveu maior perda de peso quando comparado a um período sem essa ingestão (Preuss et al., 2002). Já em 2011, outro estudo foi realizado com a mesma substância isolada ou combinada. Resultado: em ambas as formas, houve um maior gasto energético (Stohs et al., 2011).

Dessa forma, o uso de termogênicos, concomitante ao estilo de vida saudável, pode ser um grande aliado para aumentar ainda mais o gasto energético e potencializar a perda de peso.

Mullberry ou Amora

A Mullberry é um fruto semelhante à Amora, que possui inúmeros benefícios à saúde. Nutrientes capazes de melhorar e estimular as defesas do organismo, combatendo infecções e problemas patológicos.

A Mulberry foi trazida de fora, e aos poucos vem ganhado o mercado por diversos consumidores devido aos seus efeitos. Consumido principalmente pelas mulheres, por atuar em diversos locais, principalmente no combate ao envelhecimento cutâneo, sendo a “queridinha” do sexo feminino. Possui ação anti-inflamatória e antioxidante devido às antocianinas e o Resveratrol que agem diretamente na derme, além de ser fonte de vitamina C, K e de Ferro.

Ela ajuda em diversos problemas, como no controle de glicemia evitando um possível agravante, emagrecimento, melhora de colesterol e possui componentes capazes de auxiliar no combate ao câncer, porem estudos ainda devem ser realizados para elucidar de forma clara as quantidades e de qual a melhor forma de aproveitamento.

A melhor forma de se encontrar Mullbery é em casa de suplementos através do seu extrato puro, podendo ser misturada em sucos, juntamente com refeições e shakes, enfim, uma afinidade de opções para consumi-la.

Mulberry Active – Superfrutas 120g
Felipe Ongaratto
CRN8 9505

O que é Maca Peruana?

blog_19_agosto

O que é Maca Peruana?

Maca Peruana também é conhecida como medicinal, maca-andina, pertence à família das Brassicáceas. Ela é encontrada no continente sul-americano, nas mais altas montanhas dos Andes Peruanos há mais de 10.000 pés acima do nível do mar. Obtida das raízes de Lepidium meyenii, contém inúmeros nutrientes que podem auxiliar nosso organismo a desempenhar atividades importantes.

Possui diversos benefícios dentre eles destaca-se a capacidade adapto gênica que ajuda a restaurar o equilíbrio corporal físico e psicológico, fortalece o sistema imunológico, regula o ciclo menstrual e aumenta a fertilidade, aumenta a espermatogênese e a potencia sexual. Alguns atletas a utilizam como alternativa para substituir o uso de anabolizantes por ser rica em esteróis.

É sempre interessante buscar informações com profissionais que possam auxiliar no consumo da mesma. A dosagem pode variar sendo de 1 a 3g por dia para cada individuo. Normalmente conseguida através de manipulação, podendo estar na forma em pó ou em cápsula. Com relação a contra indicação, a própria literatura não destaca algo que influencie o seu consumo ou algum mal que possa trazer sendo consumida por um determinado tempo. O ideal é adequar a maca sempre com o auxilio de um profissional orientando como ingeri-la para obter bons resultados.

Confira aqui, clicando no link:
Maca Peruana – 60 cáps – Maxinutri


Felipe Ongaratto

CRN8 9505

MANTEIGA x MARGARINA

blog_24_junho

MANTEIGA x MARGARINA

Você já deve ter ficado em dúvida nas prateleiras dos mercados quando encontra dois produtos: a margarina e a manteiga e surge a dúvida “Qual delas eu levo? Qual é a mais saudável?” Pois bem, é necessário dizer que independente de qual irá consumir é importante tomar cuidado com o consumo em excesso.

A margarina é produzida a partir da nata do leite, enquanto a margarina é produzida através da hidrogenação de óleos vegetais. As margarinas são fontes de gordura trans e auxiliam no aumento do colesterol plasmático LDL (Colesterol Ruim), sem contar que a gordura presente na margarina influencia diretamente o aparecimento de doenças cardiovasculares. Já a manteiga é pobre em gordura trans porém rica em ácidos graxos saturados que são lipídios de origem animal.

A indústria alimentícia busca sempre formas para agradar ao consumidor. Sabe-se que existem margarinas enriquecidas de fitosteróis (compostos bioativos que atuam no controle do colesterol e melhora do perfil lípido), sendo uma ótima opção para quem busca ou gosta deste grupo de alimentos, além de auxiliar na melhora do HDL chamado “colesterol bom”.

Fique atento quando for ao mercado e acostume-se a ler os rótulos, veja quais compostos estão presentes, lembrando sempre que o consumo de manteigas ou margarinas deve ser feito de forma controlada, por serem constituídas de gorduras. Sendo assim, procure alternativas ou opções como as que vêm acrescidas de fitosteróis para o consumo.

Felipe Ongaratto
CRN8 9505