Arquivo da tag: Perda de peso

Levedo de cerveja: o que é e quais os benefícios para a saúde?

As leveduras são fungos que se desenvolvem na fermentação alcoólica. Elas são utilizadas há muitos anos em vários processos industriais alimentícios como fermento biológico, um deles é no processo da fermentação da cerveja. A palavra levedura tem origem no termo latim levare que significa “crescer” ou “fazer crescer”.

A levedura apresenta alto teor proteico, o que a torna uma boa opção de fonte de proteína para vegetarianos.  Ela é rico em vitaminas B1, B2, B6, ácido pantotênico, niacina, ácido fólico e biotina, também é rico em fibras, em minerais como selênio, cromo, fósforo, ferro, cálcio, potássio, magnésio e zinco. Por possuir essa gama de nutrientes, traz muitos benefícios a saúde e pode ser considerada um alimento funcional.

Este fungo pode auxiliar na redução do LDL (colesterol ruim) e, se associado a exercícios físicos também pode aumentar os níveis do colesterol bom (HDL). Por ser rico em cromo, nutriente que tem ação sobre a insulina no organismo, a levedura também ajuda no controle da diabetes ou até mesmo na prevenção desta doença crônica. Por conter antioxidantes, como o selênio, também ajuda no combate aos danos causados pelos radicais livres, além de fortalecer o sistema imunológico.

Rico em fibras, a levedura também promove um efeito laxativo, aumentando o volume e a viscosidade do bolo fecal. Por ter em maior quantidade fibras solúveis, ou seja, fibras que são solúveis em água, também há influência na atividade de enzimas digestivas, o que melhora a taxa de digestão e absorção dos nutrientes. Essas fibras também proporcionam um atraso no esvaziamento gástrico, promovendo o aumento da saciedade.

Além de todos estes benefícios a saúde que foram citados, o levedo também mantém os cabelos saudáveis, as unhas fortes e a pele limpa, ajudando a evitar acnes. Os sintomas da TPM também são aliviados, graças ao zinco e às vitaminas do complexo B. Enfim, o levedo também ajuda a converter o carboidrato em glicose para ser utilizado como fonte de energia pelo organismo.

Com tantos benefícios assim torna-se indiscutível o consumo do levedo de cerveja. Ele pode ser encontrado em flocos, pó ou em cápsulas, opção mais prática para quem tem um dia a dia mais corrido.

 

Laís S. Baduy

Groselha Negra e seus Benefícios

A groselha negra é um arbusto originário da Europa do Norte. De seu fruto, pode-se obter um licor ou suco com propriedades anti-inflamatórias e anti-oxidativas. Propriedades estas, que devem ser atribuídas ao ácido graxo do tipo ômega-6: Ácido gama linolênico (AGL), presente em abundância nos frutos do arbusto. Este ácido graxo é produzido em nosso corpo à partir do ácido linoleico (AL), comum nos óleos de girassol, soja, milho, algodão, etc. Algumas pessoas possuem dificuldade na produção destes AGL’s e, consequentemente, na produção de ácido dihomo gama linolênico (ADGL), um importante mediador anti-inflamatório e o principal responsável pelos benefícios do uso do óleo. Os motivos que levam a baixa produtividade deste ácido ainda não foram bem elucidados, mas sabe-se, até então, que são multifatoriais, transitando em fatores genéticos, ambientais, hormonais e enzimáticos.

A groselha negra é uma rica fonte de AGL. Este princípio ativo possui propriedades terapêuticas como a prevenção ou reversibilidade de desordens da pele (dermatites, ressecamento, descamação, vermelhidão e psoríase – queimaduras). O ácido linolênico (AL) é o ácido graxo essencial mais abundante da pele humana e sua deficiência pode culminar em perca de água e escamosidade da pele. Normalmente a pele é deficiente nas enzimas que convertem o AL em AGL e ADGL (de maior bioatividade), portanto, a ingestão de óleos ricos em AGL possuem potencial de corrigirem ou tratarem uma série de enfermidades, inclusive o ressecamento da pele.

Dentre outros benefícios associados a ingestão de AGL/ADGL, estão a diminuição de processos inflamatórios articulares, tais como os decorrentes de artrites reumatoides, artroses e tendinopatias severas, minimização da calvície por bloqueio enzimático (diminuição da conversão de testosterona em di-hidrotestosterona, forma ativa da testosterona que retarda a produção capilar, além de aumentar a pré-disposição a cânceres como os de próstata), diminuição da neuropatia associada a quadros de diabetes através do aumento de velocidade da condução nervosa (mielinização), controle dos triglicerídeos circulantes, diminuição da dismenorreia primária (cólica menstrual) ou secundária (proveniente da intensificação de quadros de endometriose, miomas uterinos e infecções urinárias), além de diminuir sintomas da TPM, como dores e hipersensibilização mamária.

Portanto, conclui-se que a utilização do Óleo de groselha negra pode vir a ser uma boa alternativa não invasiva e barata no tratamento de várias patologias, disfunções ou distúrbios, podendo ser usado na forma de suplemento, inclusive, para tratamentos com finalidades estéticas. É importante destacar que a quantidade a ser ingerida é relativa ao objetivo do indivíduo e estado fisiológico atual. Para maior eficácia do uso e aproveitamento de suas propriedades nutricionais, é importantíssimo procurar a orientação de um profissional de nutrição.

 

Renan Vinicius Nogueira

 

Você sabe o que é a Liofilização

Você já ouviu falar em liofilização de alimentos? Não!!!

A liofilização de alimentos é um processo de conservação, ou seja, é um processo de desidratação que é utilizado nas comidas dos astronautas, isso mesmo aquela comidinha que vai lá para o espaço.

Vamos entenda melhor este processo, o alimento é congelado a uma temperatura de -30°C e depois é submetido a uma pressão negativa que retira toda a água das células congeladas diretamente do estado sólido para o gasoso, preservando assim todos os nutrientes, sabor, cor e aroma.

Com a retirada total da água este alimento tem uma durabilidade muito maior mesmo quando conservado em temperatura ambiente, pois os microrganismos e as bactérias necessitam de água para sobreviver e se multiplicar.

O resultado é um produto leve e crocante, livre de umidade que pode ser facilmente reconstituído adicionando água. Produtos liofilizados têm baixo peso, pois a maioria dos alimentos possui mais de 80% de água, mas contém os mesmos nutrientes do alimento in natura.

Agora não tem mais desculpa para não se alimentar corretamente pois encontramos diversos produtos que são liofilizados e em embalagens praticas para consumir a qualquer hora e qualquer lugar.

Corra e experimente essas delicias tenho certeza que você se sentira no espaço.

 

Mariana Buriolla – CRN 5220

Nutricionista

O verão vem chegando e você: Tem gostado do que vê no espelho?

Que tal já começar a se preparar, reorganizar sua rotina de treinos e, principalmente, de dieta? Com foco em te informar e, quem sabe, de ajudar você na busca dos seus objetivos, nas próximas postagens vamos abordar as características de importantes nutrientes com propriedades termogênicas e que ajudam na queima de gordura corporal.

 

TERMOGÊNICOS:

Termogênese literalmente refere-se à produção de calor e controle deste processo. Quando produzimos mais energia / calor, nós queimamos calorias adicionais. Qualquer substância que estimule a taxa metabólica de repouso, aumente indiretamente a perda de calor para o ambiente externo e, tem como produto final um maior consumo calórico é chamada de agente termogênico.

“O balanço energético, caracterizado pelo equilíbrio entre o gasto energético e a ingestão calórica, tem um importante papel no controle do peso e da reserva de gordura corporal (HERMANA, H; 2007)”. Para entender como este balanço é perdido, é necessário investigar a ingestão, oxidação, termogênese e estocagem dos macronutrientes, com ênfase na gordura, armazenada principalmente após as refeições.

Partindo deste princípio, aumentar a capacidade termogênica logo após a refeição, de forma segura e controlada, tem sido um mecanismo muito efetivo para a perda de peso e melhora do perfil lipídico.

Da mesma forma, o uso de substâncias ou nutrientes termogênicos, antes e/ou durante o treino, principalmente os de intensidade moderada, no qual o consumo lipídico é proporcionalmente maior depois de determinado tempo, tem desencadeado maior ‘’queima’’ de gordura, garantindo simultaneamente melhoras fisiológicas e estéticas.

É fundamental considerar que embora alguns alimentos contenham substâncias com propriedades termogênicas, as concentrações destes nutrientes acabam não sendo tão significantes ao ponto de desencadearem a queima de gordura. Entram então, em cena, os suplementos termogênicos. Produzidos a partir de alimentos e tendo seu consumo considerado seguro pelo Ministério da Saúde, estes Suplementos propiciam maior energia e desempenho garantindo assim maior queima de gorduras sem oferecer riscos a sua saúde.

Acompanhe as próximas postagens. Vamos nos aprofundar neste tema que interessa a todos que buscam melhor forma física e qualidade de vida.

Os melhores suplementos para auxiliarem seu desempenho, você encontra aqui!

Os benefícios do Açaí

Banner 02O açaí é um fruto tipicamente brasileiro, muito consumido no Norte do país e que, nos últimos anos, ganhou fama de herói, especialmente para quem procura melhorar a saúde por meio da alimentação e da atividade física.

Toda essa fama se deve à sua composição nutricional e características sensoriais; é considerado um alimento funcional devido à sua alta concentração de antocianinas, compostos que conferem a cor arroxeada. Essas substâncias são conhecidas por suas propriedades fármaco-medicinais como anti-inflamatória, antimicrobiana, anticarcinogênica e antioxidantes; dessa forma, atua na prevenção de doenças cardiovasculares e neurológicas, além de minimizar os efeitos do envelhecimento (Alasalvar et al., 2005).

Em 100 g de produto contém aproximadamente 40g de gorduras, 42g de carboidratos e 8g de proteínas e 489 kcal. Embora seja um alimento hipercalórico e com alta concentração de gorduras, a principal fração (52%) é gordura insaturada (ácido oleico) que conferem boa influência nos triglicerídeos e saúde cardiovascular.

O açaí é um fruto extremamente versátil; o fruto contém pouca polpa que envolve uma grande semente. No norte do país é consumido de forma integral, em diferentes preparações, geralmente armazenado sob refrigeração ou consumido no próprio momento. Contudo, para ser transportado até as demais regiões do país, a polpa é concentrada e congelada. O processo de congelamento, embora eficaz em diminuir atividade de bactérias deteriorantes e consequentemente em aumentar a vida útil do produto, acaba por diminuir o valor nutricional da polpa, especialmente vitaminas, minerais e poder antioxidante.

A liofilização é um método de conservação de alta tecnologia que consiste em evaporar a água do produto do estado sólido direto para o gasoso. Com isso, todas as propriedades funcionais e nutricionais do açaí são preservadas.

Para o praticante de exercício físico, o consumo de antioxidantes é de extrema importância, especialmente devido à manutenção da função imunológica e integridade intestinal. Com isso, alguns produtos já oferecem mix proteicos, shakes proteicos e Whey protein adicionado de açaí liofilizado. Os wheys adicionados com açaí oferecem, além de rica composição de aminoácidos que auxiliam na síntese e recuperação muscular, alta composição de antioxidantes, essenciais para a manutenção da saúde e todo o sabor do verdadeiro açaí.

Para quem busca mais saúde e tem interesse em se beneficiar das propriedades desse fruto poderoso, os suplementos que contém sua versão liofilizada são boas opções e podem ser aliados do estilo de vida saudável.

Açúcares: como esquivar?

Banner 01O consumo excessivo de açúcares é um dos hábitos de ordem nutricional que apresentam maior risco à saúde da população.

O açúcar de mesa (sacarose) é amplamente utilizado das mais diferentes formas e receitas, tanto na casa quanto na indústria de alimentos. A sacarose é formada por uma molécula de glicose e uma de frutose e, aqui no Brasil, é obtida por meio do beneficiamento da cana da cana-de-açúcar.

Alvo de várias pesquisas, o consumo excessivo de sacarose tem ocasionado diversos tipos de doenças, além dos já conhecidos efeitos de aumento do ganho de peso e gordura abdominal

Um dos efeitos mais estudados, é o efeito viciante que a sacarose proporciona. Quando o açúcar é ingerido, promove um aumento da dopamina e serotonina, neurotransmissores relacionados ao prazer e sensação de bem estar. Por ter alto índice glicêmico, a sacarose estimula elevada secreção de insulina pelo pâncreas; a insulina é o hormônio responsável pela entrada da glicose nas células. A hiperinsulinemia provocada pela ingestão de sacarose faz com que os açúcares sejam rapidamente consumidos. Com isso, excitação passa e a vontade de comer novamente aumenta.

Dentre os principais malefícios do consumo de açúcar destacam-se:

– Obesidade abdominal ou visceral, que aumenta o risco para desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis como hipertensão arterial, diabetes tipo 2, resistência insulínica, doenças cardiovasculares, esteatose hepática;

– Altamente cariogênico, pois são fonte de energia para a bactéria Streptococcus mutans, principal agente causador de cáries;

– Alterações intestinais já que são altamente fermentáveis e promovem a diminuição das bactérias benéficas ao intestino;

– Fator de risco para desenvolvimento de diabetes tipo 2;

– Câncer, pelo conjunto de vários fatores de risco.

Com base nos diversos malefícios que o excesso de açúcar da dieta pode causar, há uma preocupação em criar alternativas que substituam o açúcar e mantenham o sabor agradável.

Com isso, a indústria desenvolveu diversos tipos de adoçantes, obtidos de forma natural ou artificial e a partir disso, desenvolveram-se inúmeros produtos com a expressão “zero”: zero açúcar, sódio, calorias, gorduras, dentre outros.

Para diminuir a ingestão de açúcares, independentemente se o indivíduo é ou não diabético, algumas medidas básicas são necessárias como evitar refrigerantes e bebidas prontas, inclusive nas versões diet; preferir cereais integrais; não adoçar sucos naturais; reduzir gradativamente o açúcar nas preparações.

Para não quem ama doces e não quer abrir mão do sabor e nem da saúde, opções de doces sem açúcares, calorias e sódio (como caldas para adicionar em preparações como tapiocas, torradas, dentre outros) pode ser uma boa opção. Basta observar o tipo de edulcorante utilizado: preferência para estévia, sucralose, xilitol, acessulfame-k.

Com base em todas as evidências que mostram que o consumo excessivo de açúcar traz malefícios para a saúde o segredo é o equilíbrio. E se a vontade de doces ainda é alta, substituir por versões zero açúcar e sódio podem ser aliados de quem deseja hábitos de vida saudáveis.

Edulcorantes e sua utilização

edulcorantes-e-sua-utilizacao

Os adoçantes dietéticos (edulcorantes) foram elaborados inicialmente para auxiliar no tratamento de indivíduos que necessitam de dieta restrita em açúcares: os diabéticos.

Contudo, na última década, a popularização do uso de edulcorantes pela população em geral gerou discussão na comunidade científica: afinal, os adoçantes dietéticos podem fazer mal à saúde?

Para responder à essa questão, é necessário saber que existem edulcorantes naturais e artificiais, calóricos e não calóricos. Dentre os naturais destacam-se o  esteviosídeo, sorbitol, manitol, eritritol, xilitol e frutose. Dentre os artificiais destacam-se a sacarina, ciclamato, aspartame e acessulfame-K.

O esteviosídio é obtido por meio da extração folhas de uma planta chamada Stevia rebaudiana bertoni. É um adoçante não calórico e atóxico, além de ser resistente ao calor, o tornando propício para preparações quentes também. É cerca de 300 vezes mais doce que a sacarose. Algumas marcas de suplementos esportivos utilizam esse edulcorante em sua fórmula, como alternativa saudável aos demais.

O eritritol e o xilitol são edulcorantes naturais que se tornaram os queridinhos dos praticantes de atividade física. Obtidos por meio de processos que alteram a molécula de sacarose, eles possuem sabor mais agradável que o esteviosídeo. São adoçantes que contém calorias, porém menos que o açúcar comum e, além disso, o índice glicêmico é muito menor, fato importante pois não estimula a secreção elevada de insulina.

 

A frutose é extraída do mel e das frutas. Embora seja natural, essa substância consumida isolada é cariogênica (causa cáries) e pode elevar a glicemia, além de produzir desconfortos gastrintestinais durante a prática de exercícios.

Dentre os artificiais, a sucralose é o mais utilizado. Há muito tempo acreditou-se que era uma substância inerte e que não produz efeitos metabólicos. Contudo, alguns estudos mais recentes identificaram que a sucralose pode alterar a microflora intestinal, elevar glicemia e insulinemia, além de aumentar o mecanismo de compulsão por doces.

A sacarina e o ciclamato são não calóricos e amplamente utilizados na indústria. São os componentes dos adoçantes mais tradicionais no Brasil. Ambos contém sódio em sua composição e, portanto, devem ser evitados por hipertensos.

O acelsulfame de potássio tem poder adoçante de até 200 vezes maior que a sacarona e é bem resistente ao calor.

O aspartame não é muito estável em altas temperaturas. É indicado em preparações frias(como sucos, recheios, gelatinas). Contudo não deve ser utilizado por portadores de fenilcetonúria (doença genética).

E então? Qual usar?

Assim como para a alimentação, a escolha dos edulcorantes deve ser individual. De um modo geral, a melhor opção sempre será o mais natural possível. O esteviosídeo, eritritol e xilitol tem bom poder edulcorante e baixo impacto metabólico. Na escolha de seu suplemento, procure sempre a informação do adoçante utilizado. Isso com certeza deve ser um diferencial em sua decisão.

 

Os Benefícios dos Chás

os-beneficios-dos-chas
Há diferentes tipos de ervas que podem trazer benefícios à saúde, especialmente durante o inverno.

A procura de alimentos quentes no inverno aumenta. Seja para esquentar o corpo ou trazer aconchego, as bebidas quentes como cafés, chás e até bebidas alcoólicas tem seu consumo elevado nessa época do ano.

Os chás, especialmente a base de erva mate, são amplamente consumidos. Há uma infinidade de tipos de ervas e, no caso do chá mate, diferentes graus de oxidação que conferem sabores e cores totalmente diferentes na mesma planta!

Alguns chás possuem substâncias que trazem benefícios para a saúde, como catequinas e polifenois, que possuem ação antioxidante, além de ação diurética e calmante. Porém para aproveitar os benefícios, é necessário conhecer a forma correta de preparo: a infusão.

Algumas pessoas preparam o chá diretamente no fogo, com água fervendo e erva fervendo. Esse método é chamado decocção, método destinado às partes duras como caules e cascas. Para folhas e flores (maioria dos chás consumidos), deve ser a infusão, que consiste em aquecer a água até iniciar fervura, desligar o fogo, acrescentar as ervas e abafar por 3 a 5 minutos. Dessa forma, os compostos benéficos não serão dissipados com o calor.

O chá mate e o chimarrão são produzidos por meio da infusão da erva mate (Ilex paraguariensis), com diferença apenas no estado da erva (verde no chimarrão, torrada no chá mate). De qualquer forma, essa erva possui alto teor de substâncias que elevam nossa defesa antioxidante e, assim, previnem o envelhecimento e doenças comuns do processo da senescência.

Outra erva bastante utilizada é a Camellia sinensis. Juntamente com a erva mate, sua composição é rica em substâncias antioxidantes. Além disso, tem ação termogênica e pode ser aliada de quem deseja perder peso, junto com adequações na alimentação e exercícios.

A erva cidreira e camomila são indicadas por todas as vovós do Brasil. Essas ervas possuem capacidade calmante e relaxante. Dessa forma, quando ingeridas no período noturno, ajudam o sono a ser reparador. A erva cidreira, ainda, possui importante função digestiva, quando ingerida após as refeições.

Independente da erva, o importante é sempre conferir a sua procedência e ingerir sob indicação do profissional nutricionista.

Festas Juninas e alimentação saudável

 

festas-juninas-alimentacao
As festas juninas trazem boas opções de alimentos para quem deseja manter o estilo de vida saudável

 

Junho, além de trazer o frio, traz as amadas e gordurosas festas juninas. É possível curtir as festas juninas sem exagerar e sem sair da dieta?

A boa notícia é que sim! Embora os alimentos presentes nessas festas sejam carregados de açúcares e gorduras, algumas opções são saudáveis e podem trazer benefícios nesse período do ano.

A dica principal é evitar aqueles alimentos que sabidamente são carregados de calorias, açúcares e gorduras como doces (de abóbora, de amendoim), churrasquinho com carne gordurosa, caldos, dentre outros.

A batata doce é um dos alimentos que são comuns em festas juninas. Esse alimento se tornou queridinho dos atletas e praticantes de exercício pois tem baixo índice glicêmico. Isso significa que ela não produz picos de glicemia no organismo e, consequentemente, picos insulinêmicos, o que a torna um bom alimento para exercícios e também para controle de peso e de doenças como o diabetes. O melhor de tudo: ela geralmente é servida assada e tem um sabor incrível.

As especiarias marcantes das festas juninas como canela, gengibre e cravo também são um ponto forte e benéfico. Além de trazer um sabor único e marcante, essas especiarias são ricas em antioxidantes. As substâncias antioxidantes previnem o envelhecimento do organismo além de evitar oxidação de gorduras e eventos cardiovasculares.

O queridinho e delicioso amendoim é uma das marcas registradas em festas juninas. Além de ser um alimento rico em proteínas, também fornece ácidos graxos essenciais, que facilitam a queima de gordura e controle dos lipídeos sanguíneos. Mas cuidado com as versões cheias de sal ou açúcar!

Outro alimento que não pode faltar é o milho, cereal que é consumido assado direto na espiga ou como ingrediente em outras preparações. O milho é fonte importante de energia e fibras, além das vitaminas A, C e B9. A melhor forma de consumir o milho é assado ou cozido, com pouco sal e manteiga, já que se trata de um alimento energético.

Como visto, é possível aproveitar todas as delícias das festas juninas sem sair da dieta ou comprometer os resultados. Boas festas!

Inverno: metabolismo e perda de peso

O frio pode trazer benefícios para quem deseja perder peso.

Para que nosso organismo funcione de maneira correta, é necessária uma temperatura ideal, geralmente em torno de 37ºC. Abaixo dessa temperatura, nosso corpo começa a cessar suas funções, ao passo que em casos de hipertermia (temperatura elevada) pode ocorrer desnaturação de proteínas e comprometer o funcionamento do organismo de modo geral.

Para manter essa temperatura corporal ideal, nosso corpo produz energia constantemente por meio da “queima” ou “quebra” de substratos energéticos: carboidratos, proteínas e lipídeos. Mesmo em jejum e em repouso, essas substâncias são constantemente metabolizadas, com o intuito de nos manter aquecidos. Esse gasto energético mínimo necessário para nos manter vivos é chamado de metabolismo basal. O metabolismo basal influencia, juntamente com outros fatores como alimentação, exercício físico e eventuais doenças, o controle de peso corporal.

Em dias frios, para conseguir manter a temperatura corporal ideal, nosso organismo gasta mais energia, ou seja: é o melhor período para quem deseja perder peso. Ao mesmo tempo, com essa demanda maior de energia, sentimos a necessidade de procurar por alimentos com maior densidade calórica: bebidas quentes, caldos, carnes e queijos gordos, dentre inúmeros outros, especialmente no Brasil, onde o frio coincide com as amadas e calóricas festas juninas. Assim, as pessoas costumam ganhar mais peso nesse período, quando deveria ocorrer justamente o contrário. Fica nítida a importância da alimentação equilibrada também em dias frios, especialmente para quem deseja manter uma vida saudável.

Manter a ingestão hídrica adequada (já que no inverno também há risco de desidratação!), o consumo diário de frutas, vegetais em geral (ricos em vitaminas, minerais, fibras e baixa caloria) e cereais integrais (ricos em fibras que ajudam no controle da saciedade) são hábitos que costumamos ter no verão e que devem ser expandidos aos dias frios. Essas práticas, aliadas às baixas temperaturas e ao exercício físico são a chave do sucesso para quem deseja perder peso.