Arquivo da categoria: Motivação

Tudo sobre a Cafeína e seus benefícios!

Em 1991, a cafeína já era considerada a substância psicoativa mais consumida em todo o mundo, por pessoas de todas as idades, independente do sexo e da localização geográfica. Através de suas fontes comuns na dieta, que são chá, café, produtos de chocolate e refrigerantes, o consumo mundial de cafeína foi estimado em mais de 120.000 toneladas por ano (JAMES, J. E; 1991). Com o avanço da produção científica, dos recursos tecnológicos e da necessidade humana em produzir, processar e se reinventar mais em menos tempo, o consumo de cafeína, seja na sua forma anidra ou em bebidas energéticas, deve ter provavelmente crescido ao ponto de não ser quantificável.

A cafeína é uma substância pertencente ao grupo das metilxantinas (1,3,7 trimetilxantina) que ganhou globalmente o coração das pessoas (literalmente), sendo utilizada para múltiplas finalidades.  Nas últimas décadas, com a elucidação de sua multifuncionalidade, tem sido utilizada em maior escala por esportistas com a finalidade de melhorar o desempenho físico, os fatores estéticos e a disposição para iniciar a prática (APPLEGATE, E; 1999). Segundo resultados de pesquisas, os efeitos da cafeína estão relacionados majoritariamente com a liberação de catecolaminas (adrenalina, noradrenalina e dopamina) e ativação do sistema nervoso central (melhora cognitiva, processamento de informação), como sugerido por SPRIET, em 1995. O aumento da lipólise (mobilização e quebra da gordura) e a consequente economia do glicogênio muscular, garantindo também maior excitabilidade musculoesquelética, processo que culmina em melhor recrutamento muscular e de unidades contráteis (SINCLAIR, C.J.D. E GEIGER, J.D; 2000) também é uma importante função atribuída ao uso da cafeína como recurso.

Podemos concluir que a cafeína é uma substância excepcional e acessível tanto da perspectiva financeira quanto da geográfica. Suas contraindicações se restringem a cardiopatas. Em contrapartida, é um ótimo recurso ergogênico para quem quer queimar gordura, ter maior disposição para a prática esportiva, melhorar o rendimento em modalidades coletivas e individuais que envolvem elaboração estratégica e/ou são prolongadas, garantindo também melhor contração muscular, preservação de glicogênico (efeito anti-catabólico) e retardamento de fadiga.

Alimentos e nutrientes termogênicos

Como já foi esclarecido no texto anterior, termogênese refere-se à produção de calor e controle deste processo. Quando produzimos mais energia/calor, nós queimamos calorias adicionais. Partindo deste princípio, a termogênese é subdividida em termogênese induzida pela dieta e termogênese facultativa. O efeito térmico dos alimentos, também conhecido como termogênese induzida pela dieta, é a energia gasta para que alimentos ou bebidas consumidas possam ser processados e digeridos pelo organismo.

 

A termogênese induzida pela dieta representa cerca de 10% do gasto energético diário total (RUDDICK-COLLINS et al., 2013). Já a termogênese facultativa possui relação com a prática de atividades físicas e mudanças de temperatura externa que culminam em maior produção ou perda de calor, por exemplo, ‘’ o friozinho ao sair de uma piscina’’. Considerando esses aspectos, esse texto buscou apresentar e esclarecer quais alimentos e nutrientes possuem propriedades termogênicas, além de apresentar alguns elementos que podem influenciar o respectivo processo, como diferentes composições e combinações nutricionais, tendo como objetivo primário fundamentar o leitor sobre o que pode lhe auxiliar na queima de gordura.

Existem vários alimentos com efeitos termogênicos. Dentre os mais populares e de maior acessibilidade, levando em consideração nossa cultura e a disponibilidade dos mesmos no país, temos a pimenta doce, gengibre, vegetais fibrosos (brócolis, acelga, couve), café, guaraná, chá verde, gorduras vegetais (em especial a de coco), cacau, canela, clanberry e café verde.  Todos possuem propriedades termogênicas, anti-oxidativas, anti-inflamatórias e podem ter estas ações intensificadas através da combinação nutricional, como por exemplo a canela com o café, café com óleo de coco ou um mix de vegetais, tais como brócolis, pimenta e gengibre temperados com óleo de linhaça. O fato é que cada nutriente possui sua especificidade em relação a sua composição e, consequentemente, seu efeito. É importante ressaltar que a composição e a ação podem ser alteradas de acordo com a forma de preparo, sendo recomendado o consumo cru ou o cozimento vaporizado. Também existem recursos como os suplementos termogênicos, que contém em suas fórmulas uma ou mais substâncias que auxiliam neste processo. No próximo post, discutiremos sobre uma sub-categoria de nutrientes que auxiliam de forma significante na eliminação da gordura corporal.

O verão vem chegando e você: Tem gostado do que vê no espelho?

Que tal já começar a se preparar, reorganizar sua rotina de treinos e, principalmente, de dieta? Com foco em te informar e, quem sabe, de ajudar você na busca dos seus objetivos, nas próximas postagens vamos abordar as características de importantes nutrientes com propriedades termogênicas e que ajudam na queima de gordura corporal.

 

TERMOGÊNICOS:

Termogênese literalmente refere-se à produção de calor e controle deste processo. Quando produzimos mais energia / calor, nós queimamos calorias adicionais. Qualquer substância que estimule a taxa metabólica de repouso, aumente indiretamente a perda de calor para o ambiente externo e, tem como produto final um maior consumo calórico é chamada de agente termogênico.

“O balanço energético, caracterizado pelo equilíbrio entre o gasto energético e a ingestão calórica, tem um importante papel no controle do peso e da reserva de gordura corporal (HERMANA, H; 2007)”. Para entender como este balanço é perdido, é necessário investigar a ingestão, oxidação, termogênese e estocagem dos macronutrientes, com ênfase na gordura, armazenada principalmente após as refeições.

Partindo deste princípio, aumentar a capacidade termogênica logo após a refeição, de forma segura e controlada, tem sido um mecanismo muito efetivo para a perda de peso e melhora do perfil lipídico.

Da mesma forma, o uso de substâncias ou nutrientes termogênicos, antes e/ou durante o treino, principalmente os de intensidade moderada, no qual o consumo lipídico é proporcionalmente maior depois de determinado tempo, tem desencadeado maior ‘’queima’’ de gordura, garantindo simultaneamente melhoras fisiológicas e estéticas.

É fundamental considerar que embora alguns alimentos contenham substâncias com propriedades termogênicas, as concentrações destes nutrientes acabam não sendo tão significantes ao ponto de desencadearem a queima de gordura. Entram então, em cena, os suplementos termogênicos. Produzidos a partir de alimentos e tendo seu consumo considerado seguro pelo Ministério da Saúde, estes Suplementos propiciam maior energia e desempenho garantindo assim maior queima de gorduras sem oferecer riscos a sua saúde.

Acompanhe as próximas postagens. Vamos nos aprofundar neste tema que interessa a todos que buscam melhor forma física e qualidade de vida.

Os melhores suplementos para auxiliarem seu desempenho, você encontra aqui!

Açúcares: como esquivar?

Banner 01O consumo excessivo de açúcares é um dos hábitos de ordem nutricional que apresentam maior risco à saúde da população.

O açúcar de mesa (sacarose) é amplamente utilizado das mais diferentes formas e receitas, tanto na casa quanto na indústria de alimentos. A sacarose é formada por uma molécula de glicose e uma de frutose e, aqui no Brasil, é obtida por meio do beneficiamento da cana da cana-de-açúcar.

Alvo de várias pesquisas, o consumo excessivo de sacarose tem ocasionado diversos tipos de doenças, além dos já conhecidos efeitos de aumento do ganho de peso e gordura abdominal

Um dos efeitos mais estudados, é o efeito viciante que a sacarose proporciona. Quando o açúcar é ingerido, promove um aumento da dopamina e serotonina, neurotransmissores relacionados ao prazer e sensação de bem estar. Por ter alto índice glicêmico, a sacarose estimula elevada secreção de insulina pelo pâncreas; a insulina é o hormônio responsável pela entrada da glicose nas células. A hiperinsulinemia provocada pela ingestão de sacarose faz com que os açúcares sejam rapidamente consumidos. Com isso, excitação passa e a vontade de comer novamente aumenta.

Dentre os principais malefícios do consumo de açúcar destacam-se:

– Obesidade abdominal ou visceral, que aumenta o risco para desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis como hipertensão arterial, diabetes tipo 2, resistência insulínica, doenças cardiovasculares, esteatose hepática;

– Altamente cariogênico, pois são fonte de energia para a bactéria Streptococcus mutans, principal agente causador de cáries;

– Alterações intestinais já que são altamente fermentáveis e promovem a diminuição das bactérias benéficas ao intestino;

– Fator de risco para desenvolvimento de diabetes tipo 2;

– Câncer, pelo conjunto de vários fatores de risco.

Com base nos diversos malefícios que o excesso de açúcar da dieta pode causar, há uma preocupação em criar alternativas que substituam o açúcar e mantenham o sabor agradável.

Com isso, a indústria desenvolveu diversos tipos de adoçantes, obtidos de forma natural ou artificial e a partir disso, desenvolveram-se inúmeros produtos com a expressão “zero”: zero açúcar, sódio, calorias, gorduras, dentre outros.

Para diminuir a ingestão de açúcares, independentemente se o indivíduo é ou não diabético, algumas medidas básicas são necessárias como evitar refrigerantes e bebidas prontas, inclusive nas versões diet; preferir cereais integrais; não adoçar sucos naturais; reduzir gradativamente o açúcar nas preparações.

Para não quem ama doces e não quer abrir mão do sabor e nem da saúde, opções de doces sem açúcares, calorias e sódio (como caldas para adicionar em preparações como tapiocas, torradas, dentre outros) pode ser uma boa opção. Basta observar o tipo de edulcorante utilizado: preferência para estévia, sucralose, xilitol, acessulfame-k.

Com base em todas as evidências que mostram que o consumo excessivo de açúcar traz malefícios para a saúde o segredo é o equilíbrio. E se a vontade de doces ainda é alta, substituir por versões zero açúcar e sódio podem ser aliados de quem deseja hábitos de vida saudáveis.

Hidratação nos dias frios

hidratacao-nos-dias-frios

O principal hábito de vida saudável que a maioria das pessoas costumam esquecer, especialmente durante o inverno, é a hidratação. A principal justificativa é a de que no inverno a transpiração é quase inexistente e, por isso, perdemos pouca água.

A hidratação mantém o controle de todo o funcionamento do organismo, desde transporte de nutrientes, eliminação de toxinas até a composição de órgãos e tecidos.

Embora realmente a transpiração seja diminuída, a diurese nesse período é aumentada. Ou seja: ocorre maior perda de água pela urina.

O inverno no Brasil é um período seco, com baixa umidade no ar. Esse fato causa maior ressecamento de pele e mucosas, nos deixando suscetíveis e agravando doenças. O praticante de exercício, especificamente, está mais exposto ao clima seco e, juntamente com os efeitos do exercício, em risco de desidratar-se.

Com isso, a hidratação é fator determinante no desempenho do exercício durante o inverno, além da manutenção do bom funcionamento do organismo.

A recomendação diária de líquidos varia de acordo com sexo, idade e exercício físico. Porém, a recomendação de 35ml de água por quilo de peso para adultos é aconselhada. Assim, um indivíduo de 75 kg deve consumir aproximadamente 2,6 litros de água.

Embora nada substitua a água, o consumo de sopas e caldos podem contribuir para ingestão hídrica, especialmente aquelas preparadas com verduras, legumes e cereais, que também aumentam o aporte de fibras, vitaminas e minerais. Os chás, comentados no post anterior, e os sucos naturais também podem contribuir para o aumento do aporte de líquidos. O cuidado fica com a quantidade de açúcar que essas bebidas podem agregar; dessa forma, o ideal é não adoçar.

Para estimular a ingestão ideal de água, a principal dica é sempre ter à mão uma garrafinha de água. Há ainda quem “não goste” de água. Essas pessoas devem apostar em água aromatizada (com gengibre, hortelã, abacaxi, dentre outros) para melhorar o aporte. Assim é fácil (e gostoso!) manter o corpo hidratado nessas dias frios.

Imunidade: os pré e probióticos

Os pré e probióticos são amplamente estudados, não apenas por sua importância intestinal mas também como agente imunomodulador. Os prebióticos são fibras (especialmente solúveis como frutooligossacarídeos, por exemplo) que servem como substrato para proliferação e manutenção do microbioma intestinal enquanto os probióticos são os próprios micro-organismos disponíveis nos mais diferentes veículos (pó, líquido, saches), prontos para colonizar o intestino. Há também os simbióticos, que são compostos de pré e probióticos.

O intestino, até não muito tempo atrás, era considerado apenas o “esgoto” do organismo: os nutrientes eram absorvidos e o que não era simplesmente era jogado fora. Hoje, graças a diversas pesquisas, os profissionais da saúde sabem que o intestino além de sua função de absorção básica, é importante órgão regulador de diversas funções corporais, pois ele é extremamente inervado pelo sistema nervoso. Esse fato faz com que o intestino, quando não está saudável, seja responsável por doenças metabólicas (como obesidade, diabetes, câncer) e neurológicas (como Parkinson e esclerose múltipla). Como se não bastasse, ele ainda é importante regulador da imunidade, devido ao número de células imune e bactérias.

Essa grande colônia de bactérias e células de imunidade é chamada de microbiota (ou microbioma) intestinal. As bactérias intestinais agem como facilitadoras da absorção de nutrientes, produção de vitaminas (como vitamina K e B12) e regulação da imunidade.

Infelizmente, o ritmo diário e estressante da vida moderna, aliados aos hábitos inadequados de alimentação (consumo frequente de fast food e produtos industrializados e refeições pobres em fibras, vitaminas e minerais) faz com que o microbioma seja prejudicado e, com isso, o intestino fica mais permeável a agentes infecciosos e inflamatórios.

Como dito nos posts anteriores, o período de frio afeta diretamente nossa imunidade. Manter a saúde intestinal nesse período configura importante estratégia para manter afastadas as doenças comuns do frio, além de facilitar o controle de peso corporal.

Alguns pesquisadores (Jespersen et al., 2015) avaliaram a suplementação de probiótico (Lactobacillus paracasei) no controle de infecções do trato respiratório superior. Identificaram que essa suplementação foi capaz de reduzir o tempo de manifestação dos sintomas.

O consumo de fontes de pré e probióticos não é comum na população brasileira. Dessa forma, a suplementação dessas substâncias traz muitos benefícios ao intestino e à imunidade, além da praticidade no consumo.

Inverno: metabolismo e perda de peso

O frio pode trazer benefícios para quem deseja perder peso.

Para que nosso organismo funcione de maneira correta, é necessária uma temperatura ideal, geralmente em torno de 37ºC. Abaixo dessa temperatura, nosso corpo começa a cessar suas funções, ao passo que em casos de hipertermia (temperatura elevada) pode ocorrer desnaturação de proteínas e comprometer o funcionamento do organismo de modo geral.

Para manter essa temperatura corporal ideal, nosso corpo produz energia constantemente por meio da “queima” ou “quebra” de substratos energéticos: carboidratos, proteínas e lipídeos. Mesmo em jejum e em repouso, essas substâncias são constantemente metabolizadas, com o intuito de nos manter aquecidos. Esse gasto energético mínimo necessário para nos manter vivos é chamado de metabolismo basal. O metabolismo basal influencia, juntamente com outros fatores como alimentação, exercício físico e eventuais doenças, o controle de peso corporal.

Em dias frios, para conseguir manter a temperatura corporal ideal, nosso organismo gasta mais energia, ou seja: é o melhor período para quem deseja perder peso. Ao mesmo tempo, com essa demanda maior de energia, sentimos a necessidade de procurar por alimentos com maior densidade calórica: bebidas quentes, caldos, carnes e queijos gordos, dentre inúmeros outros, especialmente no Brasil, onde o frio coincide com as amadas e calóricas festas juninas. Assim, as pessoas costumam ganhar mais peso nesse período, quando deveria ocorrer justamente o contrário. Fica nítida a importância da alimentação equilibrada também em dias frios, especialmente para quem deseja manter uma vida saudável.

Manter a ingestão hídrica adequada (já que no inverno também há risco de desidratação!), o consumo diário de frutas, vegetais em geral (ricos em vitaminas, minerais, fibras e baixa caloria) e cereais integrais (ricos em fibras que ajudam no controle da saciedade) são hábitos que costumamos ter no verão e que devem ser expandidos aos dias frios. Essas práticas, aliadas às baixas temperaturas e ao exercício físico são a chave do sucesso para quem deseja perder peso.

Mullberry ou Amora

A Mullberry é um fruto semelhante à Amora, que possui inúmeros benefícios à saúde. Nutrientes capazes de melhorar e estimular as defesas do organismo, combatendo infecções e problemas patológicos.

A Mulberry foi trazida de fora, e aos poucos vem ganhado o mercado por diversos consumidores devido aos seus efeitos. Consumido principalmente pelas mulheres, por atuar em diversos locais, principalmente no combate ao envelhecimento cutâneo, sendo a “queridinha” do sexo feminino. Possui ação anti-inflamatória e antioxidante devido às antocianinas e o Resveratrol que agem diretamente na derme, além de ser fonte de vitamina C, K e de Ferro.

Ela ajuda em diversos problemas, como no controle de glicemia evitando um possível agravante, emagrecimento, melhora de colesterol e possui componentes capazes de auxiliar no combate ao câncer, porem estudos ainda devem ser realizados para elucidar de forma clara as quantidades e de qual a melhor forma de aproveitamento.

A melhor forma de se encontrar Mullbery é em casa de suplementos através do seu extrato puro, podendo ser misturada em sucos, juntamente com refeições e shakes, enfim, uma afinidade de opções para consumi-la.

Mulberry Active – Superfrutas 120g
Felipe Ongaratto
CRN8 9505

Golden Berry

              A preocupação com a saúde tem sido frequente nos dias atuais principalmente pelo aumento no numero de doenças relacionadas á má alimentação, combinados com maus hábitos de vida e sedentarismo. Sabe-se que o consumo de alimentos processados, ricos em gorduras e com altas concentrações de açucares e sódio, acabam ao longo de anos, oferecendo diversos riscos a saúde e problemas diversos, como pressão alta, obesidade, diabetes, podendo levar a morte.

               Contra isso, possuem inúmeros alimentos capazes de auxiliar e melhorar a resposta do nosso organismo contra inflamações, infecções e ajudar em demais processos fisiológicos. Destacamos a nova “queridinha” das “berrys” conhecida como Golden Berry ou Physalis peruviana é uma fruta originária do Peru, Colômbia, Equador mais possuindo seu reconhecimento em países como Austrália, África do Sul e China. Essa pequena fruta possui a coloração Amarelo-Ouro, e pode ser considerada um dos alimentos mais completos de origem vegetal, cada 100g desta fruta possui cerca de 49kcal. Indicado para dietas vegetarianas e Veganas, devido ao seu alto teor proteico presente, pode ser um sugestão para quem não se alimenta de carne vermelha. A Golden Berry  é rica em diversos nutrientes como Fósforo, Cálcio, Ferro, Niacina, Fibras, Aminoácidos, Vitamina C e A além de vitaminas do complexo B, pectina e propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes.

                As substancias presentes nesta fruta são extremamente importante para o bom funcionamento do nosso organismo combatendo os radicais livres, retardam o envelhecimento precoce, proteção contra o sistema imunológico, colabora contra problemas cardiovasculares, doenças neurodegenerativas, diabetes, câncer e nos sintomas da TPM. Depois de saber disso tudo não há como não aderir à dieta. Agora é com você.

 

Golden Berry Active – Superfrutas 120g

Felipe Ongaratto
CRN8 9505

Vitamina D e a pressão arterial

Vitamina D e a pressão arterial

No último post, falei sobre as características da vitamina D, sua importância, em geral, citando que, sua deficiência, no organismo de homens e mulheres, já é problema de saúde pública mundial. A partir deste post, explico os porquês de ela ser coadjuvante no tratamento de algumas doenças, como, por exemplo, a hipertensão.

Não faz muito tempo os livros didáticos de Medicina ensinavam que a vitamina D era somente essencial na formação dos ossos e manutenção dos níveis de cálcio e fósforo. Mas esses textos precisam urgentemente ser reformulados.

Um estudo realizado por Martins e col., em 2007, nos Estados Unidos, revelou que a falta de vitamina D no organismo aumenta em 30% a incidência de hipertensão em relação aos não deficientes. Outras pesquisas, de Krause e col., publicadas no Lancet, demonstraram que o tratamento com radiação ultravioleta aumentou os níveis de vitamina D em 180%, com este tratamento houve uma redução significativa na pressão arterial tanto sistólica (máxima) como a diastólica (mínima).

Mas por que isso doutor? As investigações sugerem que a vitamina D atua no sistema renina-angiotensina-aldosterona (principal sistema regulatório da pressão) e também no sistema vascular, bloqueando a proliferação das células, motivo o qual pode ajudar no controle pressórico.

As pesquisas ainda vão além, pois, já foi demonstrado, em alguns trabalhos, que homens com baixos níveis de vitamina D têm maior risco de sofrer um infarto e um derrame.

Mais uma vez bato na tecla: antes de tirar conclusões, ou sair se automedicando, consulte seu médico. É ele quem vai solicitar alguns exames a fim de detectar os níveis de vitamina D, sobretudo, na presença de sinais e sintomas de carência desse nutriente. Em se tratando da sua saúde, os “achismos” devem ficar de lado. Recorra a quem entende do assunto.

 

 

Dr. Leonardo Higashi – CRM: 26067

Diretor médico da clinica Higashi
Endocrinologia e Metabologia
Especialista em Endocrinologia e Metabologia pela SBEM
Especialista em Nutrologia pela ABRAN
Nutrologia
Prática Ortomolecular
Pós graduado em pratica Ortomolecular pela FAPES

Clinica : ortomoleculardrhigashi.med.br 

SPA : spaathenas.com.br