Saiba Mais Sobre o Câncer de Mama

Neste mês de outubro traremos artigos, entrevistas e conteúdos diversos para colaborar com a campanha Outubro Rosa, da qual também fazemos parte. Nunca é demais reforçar que é fundamental ter conhecimentos para buscar a prevenção e a identificação precoce da doença. Boa leitura!

Graziella Viezzi (CRN/8-918), Nutricionista do Grupo Suplementus

Câncer de Mama: Sintomas, Tratamento e Prevenção

O câncer de mama é um dos principais tipos de câncer que podem atingir a mulher, e acontece devido à multiplicação de células anormais no tecido mamário, formando um tumor maligno, inicialmente imperceptível, que pode aumentar e atingir outros locais do corpo.

Apesar de, nas fases iniciais, o câncer de mama não causar sintomas, o principal sinal que pode indicar a presença do tumor é a palpação de um nódulo endurecido, além de sintomas como dor, vermelhidão ou saída secreção pelos mamilos, por exemplo. O câncer de mama pode ter cura, entretanto isso varia de acordo com o tipo e com o estágio em que se encontra, por isso, é muito importante a realização da prevenção através do auto-exame e da mamografia.

Geralmente, o tratamento varia de acordo com a extensão do tumor, e costuma ser feito com tratamentos com cirurgia, quimioterapia e/ou radioterapia, além de medicamentos para aliviar sintomas que podem surgir, como enjôo ou dor.

Principais sintomas

Nas fases mais iniciais, o câncer de mama pode não provocar sintomas. À medida que cresce e as células tumorais se multiplicam, alguns sintomas que podem surgir são:

• Aparecimento de um nódulo duro na mama ou próximo da axila, que pode ser percebido através do toque e do auto-exame da mama;
• Saída de liquido pelo mamilo quando pressionado, podendo ser sangue;
• Tamanho ou formato diferente das mamas, que antes não existia;
• Ter a mama inchada, vermelha e quente e que causa coceira;
• Ferida na mama que não cicatriza e tem mau cheiro.

Além disso, podem surgir nódulos na axila, já que os gânglios linfáticos destas duas regiões se comunicam. Saiba mais detalhes sobre os sinais e sintomas para identificar o câncer de mama em 12 sintomas do câncer de mama.

Como confirmar

O autoexame da mama e a mamografia pode levantar a suspeita do câncer de mama, entretanto, a confirmação é feito após consulta como mastologista, que irá fazer uma avaliação mais detalhada do nódulo e do exame e, se necessário, solicitar exames que podem ser mais específicos, como ultrassom, ressonância magnética ou, se a suspeita persistir, uma biópsia do nódulo mamário.

Exames de sangue também são feitos para identificar inflamação ou marcadores tumorais. Entenda como e quando fazer os exames que confirmam o câncer de mama.

Além disso, os testes genéticos podem ser feitos em alguns casos para avaliar se o câncer é causado por mutações genéticas ou para identificar se há risco deste câncer quando existem familiares próximos como pai, mãe, avós, tios ou irmãos diagnosticados com a doença. Confira, também, quando fazer testes genéticos para câncer de mama.

Quais são os fatores de risco

Alguns dos fatores que aumentam o risco para desenvolver o câncer de mama são:

• Ter mais de 50 anos;
• Já ter tido um câncer de mama anteriormente;
• Ter alguém na família com câncer de mama, como mãe, irmã ou filha;
• História familiar de câncer de mama em homens;
• Alteração genética deste tipo de câncer, especialmente nos genes BRCA1 e BRCA2;
• Ter entrado na menopausa depois dos 55 anos;
• Obesidade e sobrepeso;
• Sedentarismo;
• Consumo de bebida alcoólica;
• Exposição frequente a Raios-X ou outras formas de radiação.

No entanto, qualquer mulher pode ter este tipo de câncer.

Como é feito o tratamento

O tratamento para câncer de mama depende varia com a gravidade e do estágio do câncer e, por isso, o médico oncologista poderá optar por um ou pela combinação de vários tratamentos. Ele é disponível através do SUS, nos centros de oncologia da cidade, assim como pode ser feito de forma particular.

Geralmente, são utilizadas intervenções com quimioterapia, radioterapia e cirurgia para a retirada do tumor, e a ordem do tratamento depende das condições em que o tumor foi diagnosticado. A cirurgia também é variável, podendo-se retirar toda a mama ou parte dela, podendo ser necessária a remoção dos nódulos linfáticos da axila, se estes tiverem sido atingidos.

Após a cirurgia, em alguns casos, o tratamento pode ser continuado, como forma de tentar eliminar ou evitar a progressão da doença, o que também depende das características e gravidade do tumor.

Câncer de mama no homem

O câncer de mama também pode surgir no homem, embora seja muito raro, sendo que os sintomas são semelhantes ao câncer de mama nas mulheres e há maiores chances de cura, quando é descoberto precocemente.

Existem vários tipos de câncer da mama, como carcinoma ductal in situ ou carcinoma ductal invasivo por exemplo e, normalmente, o tratamento inclui quimioterapia, radioterapia ou mesmo cirurgia para remover o tumor.

Como prevenir o câncer de mama

A prevenção do câncer de mama é feita ao se adotar um estilo de vida saudável, diminuindo assim os fatores de risco. Por isso, é orientado ter uma alimentação saudável, com frutas, legumes e verduras sem agrotóxicos, a prática de exercícios físicos regulares, evitar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas e eliminar o cigarro e pesticidas.

Entretanto, para prevenir de forma eficaz este câncer, é necessário realizar de forma regular a Mamografia, que já pode ser indicada pelo médico após os 35 anos e deve ser realizada a cada 2 anos, dos 50 aos 69 anos.

Além disso, também é importante a realização do autoexame da mama mensal, 3 a 5 dias após o término da menstruação. A importância do autoexame é sempre relembrada nas campanhas anuais do governo, conhecidas como outubro rosa.

Quais são os tipos de câncer de mama

Existem vários tipos diferentes de câncer de mama, a depender do seu desenvolvimento, sendo que alguns são mais agressivos que outros. Os principais são:

• Carcinoma ductal in situ – conhecido por CDIS;
• Carcinoma lobular in situ – conhecido por CLIS;
• Carcinoma ductal invasivo conhecido por CDI, que é cerca de 80% dos cânceres da mama invasores ou invasivos;
• Carcinoma lobular invasivo conhecido por CLI;
• Carcinoma inflamatório da mama é um câncer agressivo, mas muito raro.

Além destes tipos de câncer de mama, também existem outros que são ainda mais raros, como o carcinoma medular, o carcinoma mucinoso, carcinoma tubular e o tumor filoide maligno.

Drª. Sheila Sedicias, Ginecologista

Fonte: https://www.tuasaude.com/cancer-de-mama/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *