Groselha Negra e seus Benefícios

A groselha negra é um arbusto originário da Europa do Norte. De seu fruto, pode-se obter um licor ou suco com propriedades anti-inflamatórias e anti-oxidativas. Propriedades estas, que devem ser atribuídas ao ácido graxo do tipo ômega-6: Ácido gama linolênico (AGL), presente em abundância nos frutos do arbusto. Este ácido graxo é produzido em nosso corpo à partir do ácido linoleico (AL), comum nos óleos de girassol, soja, milho, algodão, etc. Algumas pessoas possuem dificuldade na produção destes AGL’s e, consequentemente, na produção de ácido dihomo gama linolênico (ADGL), um importante mediador anti-inflamatório e o principal responsável pelos benefícios do uso do óleo. Os motivos que levam a baixa produtividade deste ácido ainda não foram bem elucidados, mas sabe-se, até então, que são multifatoriais, transitando em fatores genéticos, ambientais, hormonais e enzimáticos.

A groselha negra é uma rica fonte de AGL. Este princípio ativo possui propriedades terapêuticas como a prevenção ou reversibilidade de desordens da pele (dermatites, ressecamento, descamação, vermelhidão e psoríase – queimaduras). O ácido linolênico (AL) é o ácido graxo essencial mais abundante da pele humana e sua deficiência pode culminar em perca de água e escamosidade da pele. Normalmente a pele é deficiente nas enzimas que convertem o AL em AGL e ADGL (de maior bioatividade), portanto, a ingestão de óleos ricos em AGL possuem potencial de corrigirem ou tratarem uma série de enfermidades, inclusive o ressecamento da pele.

Dentre outros benefícios associados a ingestão de AGL/ADGL, estão a diminuição de processos inflamatórios articulares, tais como os decorrentes de artrites reumatoides, artroses e tendinopatias severas, minimização da calvície por bloqueio enzimático (diminuição da conversão de testosterona em di-hidrotestosterona, forma ativa da testosterona que retarda a produção capilar, além de aumentar a pré-disposição a cânceres como os de próstata), diminuição da neuropatia associada a quadros de diabetes através do aumento de velocidade da condução nervosa (mielinização), controle dos triglicerídeos circulantes, diminuição da dismenorreia primária (cólica menstrual) ou secundária (proveniente da intensificação de quadros de endometriose, miomas uterinos e infecções urinárias), além de diminuir sintomas da TPM, como dores e hipersensibilização mamária.

Portanto, conclui-se que a utilização do Óleo de groselha negra pode vir a ser uma boa alternativa não invasiva e barata no tratamento de várias patologias, disfunções ou distúrbios, podendo ser usado na forma de suplemento, inclusive, para tratamentos com finalidades estéticas. É importante destacar que a quantidade a ser ingerida é relativa ao objetivo do indivíduo e estado fisiológico atual. Para maior eficácia do uso e aproveitamento de suas propriedades nutricionais, é importantíssimo procurar a orientação de um profissional de nutrição.

 

Renan Vinicius Nogueira

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *